BR Week

Você sabe contar a sua história? Veja as dicas de um expert em storytelling

Joni Galvão, da The Plot, empresa especializada em storytelling, mostra como o varejo pode construir um enredo envolvente


Por Gabriella Sandoval

Sócio-diretor da The Plot, uma agência de storytelling que tem entre seus clientes empresas como LATAM, Visa e Mercedes-Benz, Joni Galvão foi um dos destaques do BR Week, que acontece até 29 de junho no Hotel Transamérica, em São Paulo.

Autor do livro “Super-Histórias No Universo Corporativo”, Galvão sugeriu que as empresas sejam transparentes em sua comunicação. “Esqueça o mundo cor-de-rosa. Quem pensa assim não consegue criar uma narrativa, nem engajar as pessoas”. O especialista citou como exemplo um comercial que traz uma família feliz indo fazer a revisão do carro antes de ir para a praia. “Isso é irreal. Quando pensamos em revisão pensamos em custo, em demora. Isso não foi dito”, disse Galvão. “As boas histórias são verdadeiras e refletem valores humanos verdadeiros”.

Em vídeo, Robert Mckee – considerado um mito por ter treinado dezenas de roteiristas, diretores e produtores vencedores do Oscar – mandou um recado: “Para transformar um Power Point numa história é preciso haver uma revolução na forma de pensar”. Sócio da The Plot, Mckee também falou sobre “negaphobia”, o medo de tudo o que é negativo. “Em um enredo, quanto mais poderosas as forças antagônicas, mais brilhantes as forças positivas devem ser”. Afinal, quando o filme é muito óbvio, ele não tem torcida.
Galvão destacou ainda as lições que podem ser tiradas de filmes e seriados. “Por trás de todo filme de Hollywood tem uma história sobre a vida”. E trouxe o passo a passo da estrutura por trás de um bom filme. São eles:

Ideia governante: toda boa história tem uma moral; ensina algo

Protagonista: não existe história sem protagonista, tampouco protagonista sem um desejo, seja de escapar de uma ameaça, encontrar algo que perdeu, chegar a algum lugar, fazer justiça. “Ele gera empatia ou simpatia. O Toy Story resgata, nas pessoas, o medo do abandono. Já o Nemo faz com que os espectadores se coloquem no lugar dele”, diz Galvão. A Apple, diz ele, é um sucesso pelo mesmo motivo: sabe colocar o cliente no papel de protagonista

Forças antagônicas: é a somatória de todas as forças que podem lhe impedir de chegar aonde você quer. Toda boa história traz uma fobia, uma dificuldade

Incidente incitante, desejo, complicações progressivas e final: algo que acontece e tira o personagem do eixo. Em seguida, vem o desejo de reassumir o controle. “Um bom enredo começa com o ‘Era uma vez’ e um até que um dia. Depois vêm as complicações progressivas, a crise, o clímax e a resolução”, diz Galvão. Por fim, um último recado: “Capriche. Um bom final salva qualquer problema que você tenha tido no caminho”.

Veja aqui a cobertura completa do BR Week



X

Compartilhar artigo

Envie este artigo para um amigo


X

Preencha Este Formulário

nós queremos te conhecer melhor