O pão de cada dia em uma fazenda na metrópole

A ambientação da Le Pain Quotidien com decoração de madeira e objetos antigos de fazenda formam um caloroso abraço no consumidor

 

Por Leonardo Pinto

O charme da loja da Le Pain Quotidien e sua aura de aconchego são um abraço aos consumidores. A madeira, reaproveitada de obras de demolição na Argentina, é tratada e estruturada em toda a loja, com um misto de padaria, armazém, restaurante caipira, porém, muito sofisticado. A última loja da rede belga instalou-se no Shopping Jardim Pamplona e se destacou em meio aos restaurantes.

A entrada contém um vitral enorme acompanhando o alto pé-direito da loja, assim como outras da companhia. O mobiliário é todo importado assim como os objetos que estão dispostas do lado esquerdo em inúmeras prateleiras de madeira escura e grossas. Todos remetem ao calor de dentro de uma casa de fazenda.

No alto, há um antigo bule deformado pelo uso e pelo tempo, livros de caráter empoeirado, uma leiteira, um pilão e um regador de grandes proporções com flores dentro. A grande estrela, no entanto, é o assento de um antigo trator postado na parede, que combina com o ambiente rústico, porém, sofisticado da loja da Le Pain.

“A minha ideia era simples, criar um lugar onde eu pudesse me sentir em casa, mesmo estando longe de casa”, disse o belga e fundador da padaria Alain Coumont. A iluminação da loja, colocada em estruturas pretas no teto, misturada com todo esse aporte de madeira, são pontos a favor.

A exceção

“A loja fez o que todo o varejo teme e evita: colocar dois anteparos na entrada da loja”, diz o consultor Fernando Tecchio. O especialista afirma que a mesa compartilhada e, logo atrás, uma grande gôndola com produtos frescos e orgânicos, são exceções acertadas e planejadas com êxito.

Segundo ele, colocar um anteparo na fachada é sinônimo de perda de clientes, uma vez que eles podem se sentir incomodados. “Mas a Le Pain tem uma experiência que provoca exatamente o contrário”. O cliente é convidado a ir à loja.